Share Button

O mês de novembro é conhecido mundialmente como “Novembro Azul”, mês de combate ao câncer de próstata. Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), no Brasil, a neoplasia é a segunda mais comum entre os homens, ficando atrás apenas do câncer de pele não-melanoma. Ainda de acordo com o instituto, é o sexto tipo mais comum no mundo e o mais prevalente em homens, representando cerca de 10% do total de cânceres.  É considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos.

novembro azul

Pesquisa realizada pela Coalizão Internacional para o Câncer de Próstata (IPCC, na sigla em inglês), da qual participa o Grupo Espanhol de Pacientes de Câncer (Gepac) afirma que 47% dos afetados pelo câncer de próstata ignoram —nos dois sentidos, ou seja, desconhecem e não dão importância— sintomas tão importantes como a dor e o cansaço. Os principais sintomas são: cansaço (sofrido por 86% dos afetados), dor em áreas concretas, como as costas (82%), dor generalizada (70%), fraqueza (67%) e dificuldade de dormir (62%), além de outros problemas, como incontinência urinária.

Fatores que podem aumentar o risco de uma pessoa desenvolver câncer de próstata:

Idade – O câncer de próstata é muito raro em homens com menos de 40, mas a chance de ter câncer de próstata aumenta rapidamente após os 50 anos.

Raça – O câncer de próstata é mais frequente em homens de descendência africana do que em homens de outras raças. Pessoas de raça negra são mais propensos a serem diagnosticados em estágio avançado, e têm o dobro da probabilidade de morrer de câncer de próstata do que os homens brancos.

Nacionalidade – O câncer de próstata é o mais comum na América do Norte, noroeste da Europa, Austrália e nas ilhas do Caribe. É menos comum na Ásia, África, América Central e América do Sul. As razões para isso não estão claras.

Histórico Familiar – Ter um parente de primeiro grau com diagnóstico de câncer de próstata mais do que duplica o risco de um homem de desenvolver a doença.

Dieta – Alguns estudos sugerem que homens que consomem uma grande quantidade de cálcio, através dos alimentos ou suplementos, podem ter um maior risco de câncer de próstata. Laticínios, que muitas vezes são ricos em cálcio, também podem aumentar o risco. O exato papel da dieta no câncer de próstata ainda está sendo estudado. Os homens que comem muita carne vermelha ou laticínios ricos em gordura parecem ter uma chance ligeiramente maior de ter câncer de próstata. Esses homens também tendem a comer menos frutas e legumes. Os médicos não têm certeza de qual desses fatores é responsável por elevar o risco.

Obesidade – Acredita-se que homens obesos têm um risco maior de ter câncer de próstata mais agressivo. As razões para isso não estão claras.

Inflamação da Próstata – Alguns estudos têm sugerido que a prostatite (inflamação da próstata) pode ser associada a um risco aumentado de câncer de próstata.

Doenças Sexualmente Transmissíveis – como gonorreia ou clamídia, podem aumentar o risco de câncer de próstata, possivelmente levando a inflamação da próstata. Até agora, os estudos não são conclusivos.

Fonte: Instituto Oncoguia